06/12/2016

Possessive Love - Capítulo 6 - Bilhete

Skylar Houck’s P.O.V.
Acordei na manhã seguinte com a histeria de Stacy, que jogou uma muda roupas em meu rosto e gritava para que eu levantasse.
— Sky, caralho, estamos extremamente atrasadas. Levanta logo — jogou os sapatos em minha direção, me protegi com o cobertor.
— Pra quê Stacy? — perguntei sonolenta.
— Jenny, o voo dela chega à 10h, já são 9h30m. Vamos nos atrasar e ela vai me matar! — disse abrindo as cortinas do meu quarto.
— Sou obrigada? — perguntei com o rosto enterrado no travesseiro.
— É sim! — respondeu puxando minhas cobertas.
— Stacy! — reclamei. — Tá’ frio, mas que merda.
Ela revirou os olhos e saiu do quarto dizendo que iria preparar o café e terminar de se arrumar. Bufei e enrolei mais cinco minutos para finalmente levantar. Parece que Stacy não entende que quase fui sequestrada de novo e isso é exaustivo. Me dirigi ao banheiro na velocidade de uma tartaruga, tomei um banho rápido, pois já estávamos atrasadas.
Saí do banho e me vesti com a roupa que Stacy havia jogado em mim, penteei os cabelos e me certifiquei de trancar a porta da varanda. Quando desci para cozinha, senti o cheiro de café recém passado no ar. Stacy resmungou de boca cheia por causa da minha demora a descer e me apressou. Tomei uma xícara de café apenas e logo subi para escovar meus dentes.
Assim que saímos de casa, Stacy recebeu uma ligação de Jenny, que deu uma bronca nela pela demora. O avião havia pousado há 15 minutos. Stacy tratou de colocar toda a culpa em mim. Ficamos presas em um engarrafamento por cerca de 10 minutos. Quando finalmente chegamos ao aeroporto, Jenny estava nos esperando com uma expressão assassina.
— Vocês sabem há quanto tempo eu estou esperando vocês? — perguntou, semicerrando os olhos.
— Perdão, ficamos presas em um engarrafamento — eu disse, dando um sorriso amarelo.
— SKY! — gritou, pulando em cima de mim e desfazendo sua expressão assassina.
— Sem histeria, Jenny, por favor — Stacy disse, revirando os olhos enciumada.
— “Oi” pra você também Stacy — disse Jenny, indo abraça-la.
— Não, pode continuar abraçando a Sky, afinal, ela veio te buscar sozinha — responde com a boca formando uma tromba.
Jenny mostrou a língua para Stacy e lhe deu um abraço de urso. Seguimos para o estacionamento e ajudamos Jenny a guardar suas malas no porta-malas. Entramos no carro e Stacy deu partida falando sobre uma festa hoje à noite.
— Você vai, não é Sky? — Jenny perguntou, me olhando através do retrovisor.
— Acho que não, Jenny — respondi, dando de ombros.
— O que? Mas, por quê? — perguntou histérica.
— Digamos que a Sky não tem tido boas experiências em festas — Stacy respondeu por mim, me lançando um olhar acolhedor, que foi retribuído com um “obrigado” sem som.
— Me perdoe, Sky. Eu me esqueci disso por um momento — disse Jenny, me lançando um sorriso triste.
— Sem problemas, Jenny — sorri de volta.
O resto do caminho até em casa, as duas não pararam de planejar como se vestiriam para ir a tal festa. E eu, passei todo o caminho encarando os borrões passando pela minha janela. Um sentimento de melancolia me atingiu e me senti presa em minha própria casa. Eu não poderia sair para me divertir como as garotas, pois sempre acontecia algo de ruim.
Eu já estava cansada de tantos acontecimentos ruins; tantas tentativas de sequestro. Será que eu não poderia viver minha vida em paz? Todos os meus dias, desde que coloquei meus pés em solo americano, foi baseado em trágicos acontecimentos.
Chegamos em casa, finalmente, e Stacy e eu ajudamos Jenny com as malas, mais uma vez. Ela ficaria no quarto de hóspedes em frente ao meu. Depois de ajudar Jenny a se instalar, entrei em meu quarto e paralisei ao ver as portas da sacada completamente abertas. Passei meus olhos por todo o meu quarto e não vi nada de anormal nem nada fora do lugar. Aproximei-me em passos lentos da sacada e olhei a rua à procura de algum carro estranho, mas apenas vi o carro de Stacy saindo, provavelmente indo buscar algo para almoçarmos.
Entrei no quarto e fechei as portas com as mão trêmulas. Aquele sentimento ruim voltou com toda a força e um medo súbito me tomou conta. Sentei em minha cama, sentindo lágrimas quentes descerem com agressividade por meu rosto. Isso nunca vai ter fim? Não poderei ter nem um minuto de paz que já sou sugada para acontecimentos ruins?
A tristeza rapidamente se transformou em ódio, me fazendo soltar um gritinho de raiva. Caminhei até o banheiro e me despi, encarei meu reflexo no espelho e vi as olheiras maquiarem meu rosto. Entrei no box e liguei o chuveiro no mais frio. Passei longos minutos ali, para que a raiva que eu sentia diminuísse. Quando saí do banheiro, algo ao pé da cama me chamou a atenção. Era um bilhete:

“Espero que ainda se lembre de mim, meu amor. Estaremos juntos em breve, docinho.

Meu coração disparou no mesmo instante amacei aquele pedaço de papel com força e o joguei em qualquer lugar do quarto. Eu precisava me desligar disso tudo. Entrei em meu minúsculo closet e vesti a primeira roupa confortável que vi. Voltei para o meu quarto e me joguei na cama, apaguei alguns minutos depois.

[…]

Balancei o copo com Martini em minhas mãos e pude ouvir o som dos gelos em contato com o vidro. A música estava alta, as luzes piscavam se intercalando entre azul e vermelho. Corpos suados na pista de dança eram o que eu observava enquanto degustava minha bebida.
Varri aquele local com os olhos e fixei em um ponto. Ao fundo da boate, um cara me chamou a atenção. Não pude ver seu rosto, pois ele estava na sombra, mas eu o conhecia de algum lugar. Deixei meu copo vazio sobre a bancada atrás de mim e segui em sua direção. Ele percebeu quando eu me aproximava e se afastou. Intrigada e curiosa fui atrás.
O desconhecido saiu por uma porta que dava em um beco ao lado da boate, saí por aquela porta também, porém não o vi. O beco estava escuro, o som abafado da música era o único que quebrava o silêncio dali. Ouvi o barulho de algo caindo e segui esse som. Fiz uma careta ao sentir o sapato de salto agulha apertar meus dedos.
Um grito saiu do fundo de minha garganta quando um gato preto passou por mim correndo. Meu corpo se arrepiou por completo e um pouco de medo me atingiu. Dei um passo para trás sem me virar e meu corpo trombou com outro. Um par de mãos segurou minha cintura com força, senti lábios macios depositar beijos brutos em meu pescoço e nuca. Fechei meus olhos me deliciando com aquela sensação. Eu conhecia aqueles lábios.
As mãos que me seguravam me viraram e eu pude ver um par de olhos negros de desejo e luxúria olharem no fundo dos meus. Ele se aproximou e me beijou com desejo, arrastando seus lábios instantes depois até a minha orelha. Soltei um gemido de dor quando seus dentes cravaram no lóbulo de minha orelha. Senti ele sorrir maldoso e sussurrar:
— Eu disse que estaríamos juntos para sempre, docinho — sua voz rouca me acordou de um transe.
Abri meus olhos imediatamente. Docinho. O bilhete.
Um grito rasgou minha garganta quando senti um objeto pontiagudo perfurar meu abdômen. Levei minhas mãos até o ferimento e senti o sangue quente e fresco banha-las por completo. Olhei novamente naqueles olhos e eles estavam frios. Seus lábios se repuxaram em um sorriso malicioso e ele disse:
— Pra sempre!

Sentei-me na cama gritando. Stacy e Jenny rapidamente entraram em meu quarto, com Jenny segurando uma vassoura. Elas acenderam as luzes e correram até mim.
— O que houve Sky? — perguntou Stacy preocupada.
Abri a boca para falar, mas apenas um soluço saiu por meus lábios. Passei as mãos pelo rosto e percebi que estava chorava enquanto dormia. Encarei Stacy e me permiti chorar compulsivamente enquanto sentia seus braços me rodearem.
— Sky – chamou-me Jenny. — Por que o vidro da porta da sacada está quebrado?
Stacy e eu a olhamos sem entender, olhei para os seus pés e vi os cacos espalhados pelo chão. Levei minhas mãos até minha barriga, como reflexo, e senti meus dedos molharem. Olhei para Stacy, que quando viu o sangue em minhas mãos, se levantou gritando.
Que merda havia acabado de acontecer?

Continua…


GOSTARAMMM?
Gente, comentem, por favor, isso me estimula a postar mais rápido ;)
+2 comentários
Visite:
Imagine Belieber
Imagine Belieber2
Imagine Belieber3
Imagine Belieber Hot
Imagine Belieber Hot2
One Dí Dreams
Wonderland Fanfics

8 comentários:

  1. OMG o que aconteceu . Continua tô muito curiosa 😁😁

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mil tretas huehuehue'
      Continuo hoje a noite 💛

      Excluir
  2. Ai meu Deus!! Como essa fic é perfeitaaaa!!!! Ansiosa para o próximo caps... o Justin nao seria capz de fazer isso com a Sky... seria??
    Continua please!!!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AIN QUE LINDA, OBRIGADO 😍💕
      Ele não, mas eu sim shjdwjkd 😈
      Continuo hoje a noite 💛

      Excluir
  3. Gente, ele não seria capaz, tenho certeza.
    Continua bitch

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, crtz? 😈
      Continuo hoje a noite, bitch

      Excluir

Que tal deixar seu comentário?
Isso estimula a autora a continuar e deixa seu dia mais feliz! C:
Aceitamos criticas, sugestões, elogios... Mas nada de ofensas, viu?
Seus comentários poderão ajudar no desenvolvimento do blog. Nos avise no caso de algum link errado!